google-site-verification: googlea909ea138fb1d642.html
 

As Expectativas

Quanto mais nós nos distanciamos das expectativas, mais estimulante e real se torna a nossa vida. À medida que nos esforçamos para encontrar a realização pessoal e realizar os nossos ideais individuais, naturalmente criamos apegos emocionais aos resultados que esperamos que venham a acontecer. Essas expectativas podem servir como fonte de estabilidade, permitindo-nos traçar planos baseados nas nossas visões do futuro, mas também podem limitar o nosso potencial para a felicidade, cegando-nos para resultados igualmente satisfatórios, mas inesperados... e quantas vezes bem mais poderosos que aqueles que traçámos e aos quais nos agarramos obstinados!

Em vez de sentirmos prazer nas circunstâncias surpreendentes que se desenrolam ao nosso redor, lamentamos a expectativa que não foi realizada. Quando pensamos em abrir mão das nossas expectativas, podemos sentirmo-nos à mercê de uma pequena voz interior que nos instiga incessantemente a lutar por objetivos específicos, mesmo que eles continuamente nos escapem. No entanto, o oposto da expectativa não é pessimismo. Podemos manter o nosso otimismo e libertarmo-nos da necessidade de nos concentrarmos em probabilidades específicas, abrindo os nossos corações e mentes para uma ampla variedade de resultados possíveis.

Quando esperamos que uma situação, evento ou confronto se desenrole de uma certa maneira, torna-se mais difícil desfrutar das surpresas que têm o potencial de se tornarem bênçãos profundas. Da mesma forma, podemos sentir que falhamos em atingir os nossos objetivos internos porque não fomos capazes de alcançar os resultados desejados por meio das nossas escolhas e ações. Vem então a frustração, a culpa, o julgamento. Acordamos as feridas emocionais que todos, cada um de nós, á sua maneira, carrega desde a infância e que vamos reforçando ao longo da vida. Talvez possamos considerar que estamos todos à mercê do fluxo universal e que as nossas melhores intenções muitas vezes são frustradas simplesmente porque é assim que tem que ser para que algo mais, algo maior, possa acontecer. À medida que nos tornamos cada vez mais abertos a resultados imprevistos, ficamos mais aptos a procurar e reconhecer os elementos positivos das nossas novas circunstâncias. Esta recetividade ao inesperado é proporcional à nossa aceitação desse lado selvagem, misterioso, mágico e sublime da Vida. Só com essa aceitação e vivência, esse "let it flow and flow along" é que concedemos a nós mesmos a flexibilidade de ver os aspetos positivos de quase todos os resultados .

Embora a situação em que nos encontramos possa não corresponder aos nossos desejos, necessidades ou objetivos iniciais, nada nos impede de tirar o máximo proveito disso e, então, fazer o possível para nos adaptarmos e fazermos do que parecia um obstáculo, uma rampa de lançamento. Mas nunca o faremos se não nos questionarmos sempre: que oportunidade me está a oferecer isto que está a acontecer? A jornada da tua vida provavelmente terá muitas reviravoltas inesperadas e surpreendentes, por mais que resistas, rejeites e fujas, há e sempre haverá esse lado selvagem, inexplicável, mágico e inebriante que tu não controlas. Não controlas hoje, e não controlarás nunca. Então questiona-te se estás disposto - não a desistir das tuas expectativas - mas sim a permitires-te superá-las abrindo-te a receberes o que a vida te dá em resposta aos caminhos que percorres.


Cristina Fernandes

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo