Hipnose para emagrecer

Atualizado: Mai 3

A HIPNOSE APLICADA AOS PROCESSOS DE EMAGRECIMENTO



De forma muito simplificada, a hipnose nada mais é que um estado de relaxamento que trabalha com o lado do cérebro responsável pela imaginação. Actuando no sistema límbico do cérebro, sede das nossas emoções, memórias e associações, entre outras coisas, a parte responsável pela atenção e concentração fica em descanso mas s não é ‘desligada’, ou seja, a pessoa consciente durante todo o processo

Durante o transe hipnótico, o cérebro entende o que está a ser sugerido como real, é parecido com um sonho, ou como quando estamos a ver um filme e sentimos emoções como se estivéssemos a viver o filme. Muitos choram, transpiram e o coração acelera enquanto estão a sonhar. O mesmo pode acontecer no caso do filme: rimos, assustamos-nos, emocionamos-nos... As sensações são muito semelhantes. E o nosso cérebro percepciona-as como reais, transmitindo mensagens importantes para o nosso corpo através da produção de neuro transmissores hormonais.


No caso dos processos de emagrecimento, a hipnose só é válida quando é associada a sessões de psicoterapia, de reeducação alimentar e de exercício físico. Ou seja, a hipnose é um elemento fundamental, mas não o único.


Dizer que é possível emagrecer sem se mexer mais e comer correctamente...é publicidade falsa. Contudo, a Hipnose permite trabalhar o problema real que dentro de nós nos impede de alcançar a meta desejada! Ou seja...o peso, a gordura, a procrastinação, a falta de motivação...tudo isso são sintomas. Sintomas de um problema que é diferente de pessoa para pessoa.



De facto, a comida está associada a várias emoções, a várias programações inconscientes e mecanismos quer de defesa, quer de rejeição.

Nestes casos, a hipnose tem o objectivo ajudar o cliente a resistir a tentações específicas e a controlar as compulsões.

Todos nós temos mecanismos de auto-sabotagem, com a auto-hipnose conseguimos colocar armadilhas a esses mecanismos, ou seja, sabotar a nossa auto-sabotagem...afinal, o mecanismo já existe e está bem exercitado, então utilizamos esse mesmo mecanismo, mas agora a nosso favor!

Outra aplicação mais avançada da hipnose, é para que o cliente acredite que existe um balão intra-gástrico dentro do estômago. Trata-se de recriar a sensação tal e qual do balão real que preenche o estômago impedindo a pessoa de comer grandes quantidades de comida de uma só vez. Este, porém, é imaginário, inserido por meio da hipnose.




O processo hipnótico simula passo a passo o processo real, de tal forma que o cérebro acredita e dá essa informação ao corpo.

Mas será que esta técnica funciona com todos? A resposta é não. Este processo só deve ser realizado em pessoas cujo grau de sugestibilidade seja superior a 70% o que corresponde a cerca de 10% ou 15% da população portuguesa.


Ter uma boa sugestibilidade nada tem a ver com ser crédulo ou muito influenciável.

O que determina se a pessoa consegue ser hipnotizada ou não, são características de personalidade e por vezes até genéticas. Pessoas que têm um lado mais artístico, como aptidão para a arte, música, escultura, pintura, teatro, são pessoas normalmente mais susceptíveis à hipnose, simplesmente porque têm a imaginação, criatividade e capacidade de visualização extremamente desenvolvidas.


Mas desengane-se quem pensar que ao fazer este processo, o seu comprometimento ou esforço acabaram. Pelo contrário. Da mesma forma que no processo real há que passar por todo um esquema de reeducação alimentar, psicoterapia para trabalhar a motivação e questões emocionais associadas, e integração de exercício físico como um hábito regular; no caso do processo hipnótico aplica-se exactamente a mesma premissa.


A hipnose não é um tratamento que resolve todos os males. Infelizmente neste últimos tempos parece que regressámos ao inicio do Sec.XX e a hipnose é vendida como a banha da cobra - resolve tudo, ao bom estilo do fast-food das terapias.

A Hipnose é um grande instrumento terapêutico, tem fundamentos científicos, e é extremamente poderosa por si só em tratamentos de fobias, transtornos de impulsos, ansiedade, pânico, auto-estima, auto-confiança, traumas, e outras questões.


Contudo a hipnose não é um tratamento para obesidade! É sim o elemento "liga" das várias vertentes que são trabalhadas com o cliente, sendo necessário então que se recorra a um Hipnoterapeuta com conhecimentos sólidos nas áreas da nutrição e exercício físico e se esteja disposto a trabalhar com uma equipa multidisciplinar.

Cristina Fernandes




4 visualizações

(+351) 910 828 320

©2013 por Cristina Fernandes