Indícios Tóxicos numa relação

Se você se apaixona com muita facilidade, sem realmente conhecer a pessoa, é constantemente perseguido por pensamentos sobre ela, ou se o seu humor depende completamente de detalhes como se a pessoa que ama lhe ligou hoje ou enviou uma mensagem, então pode ser sinal de que está propenso a uma dependência emocional doentia. Entram nessa dependência, geralmente, pessoas com déficit de amor próprio e tentam encontrá-lo no outro. Daí surge um círculo vicioso de relações tóxicas do qual, felizmente, há uma saída.




Pessoas emocionalmente dependentes transformam o seu parceiro numa "divindade": toda a sua vida gira em torno do outro, de quem também depende a sua felicidade ou infelicidade. Tentam absorver completamente o parceiro, controlando cada um dos seus passos mesmo que inconscientemente, tendo sempre na relação o papel da vítima, e exigindo, cobrando e esperando que o outro corresponda á imagem ideal criada. Tudo isto passa-se a um nível inconsciente.

A psicoterapeuta familiar Darlene Lancer escreve que o amor verdadeiro e a dependência emocional são coisas diferentes, e que precisamos aprender a diferenciá-las.

De seguida descrevem-se os sinais alarmantes que indicam o início de uma dependência doentia.


1. Pensar, imediatamente, que encontrou o amor de sua vida

Há pessoas que são muito fáceis de se apaixonar e, depois do primeiro encontro, voltam flutuando para a casa com pensamentos felizes: "É ele (ou ela) que eu estava à procura!". Infelizmente, na maioria das vezes, não é assim. Tente se acalmar depois de ver quem fez seus olhos brilharem.

Faça uma pausa de alguns dias entre os encontros, sejam eles reais ou online. Tente ficar sozinho de vez em quando, dedique-se a fazer algo que o distraia completamente de pensar nessa pessoa.


2. Idealizar demais o parceiro


Durante os primeiros encontros, escute mais do que fala e ouça atentamente. Na maioria dos casos as mulheres abrem-se e revelam logo desde os primeiros momentos pormenores sobre si mesmas e as suas vidas. Se o parceiro mencionar logo de início, mesmo casualmente, tudo aquilo que sempre você quis ouvir de alguém…desconfie. É muito fácil para um predador emocional ter um discurso que vai ao encontro das expectativas e carências mais comuns do sexo feminino. É um discurso, um script, não corresponde à verdade.

3. Não poder dizer "não"

Teste a sua capacidade de dizer não ao seu parceiro. Não hesite em rejeitar convites para eventos que não sejam interessantes, para se encontrar em momentos do dia que sejam desconfortáveis para você, pedidos inadequados, carinhos prematuros e convites para iniciar um relacionamento íntimo para o qual você ainda não está preparado. Recorde-se que tudo o que é demasiado rápido, acaba da mesma forma. Ninguém ama outra pessoa à primeira vista, e durante os tempos de paixão nenhum dos dois estará mostrando quem realmente é, mas sim quem pensa que o outro quer ver. Não esqueça de si mesmo para agradar a outra pessoa, ninguém vai sair beneficiado disso.


4. Esquecer dos amigos para agradar o parceiro


Mantenha o relacionamento com as pessoas que são seus amigos antes e serão seus amigos depois, independentemente da presença ou ausência de um parceiro. Quando estamos muito apaixonados, não queremos pensar em ninguém, excepto no dono do nosso coração, e quando encontramos nossos amigos, só falamos sobre ele/ela.

Não esqueça que seus amigos também têm sentimentos. E a cabeça deles não está tão congestionada quanto a sua neste momento. Portanto, seria melhor se você apresentasse seu novo amor o mais rápido possível. Talvez eles vejam algo que você não percebe e impeçam o mergulho num relacionamento tóxico. E se o seu parceiro não quer conhecer os seus amigos e familiares, é outro motivo para pensar se ele realmente gosta de si.


5. Abandonar seus passatempos


Não abandone suas atividades favoritas. Com a chegada de uma nova pessoa, sua vida deve ser enriquecida e não empobrecida. Ferramentas úteis e equipamentos esportivos não devem ficar esqucidos em um canto, pegando pó, e as fotos do seu parceiro não devem substituir os diplomas e medalhas na parede.

Uma pessoa entusiasta com muitos interesses é muito atraente como parceira. Não faça da pessoa amada o centro do seu universo, não coloque sua felicidade, seu bem-estar e seu humor na dependência dela. Ninguém pode suportar um fardo tão pesado.


6. Ignorar os sinais de alarme

Ouça seus sentimentos, dúvidas e suspeitas. Se algo no comportamento do seu parceiro a incomodar, não hesite em dizer imediatamente e falar sobre o assunto. É suficiente dizer apenas uma vez o que você não gosta, de modo que uma pessoa que realmente a valorize faça um esforço para compreender a sua perspectiva e perceber se consegue ajustar a situação.

Não justifique as acções do outro (ou as suas) com traumas infantis, falta de tempo por causa do trabalho ou problemas existenciais, evite a posição de ser um salvador, ou de colocar o outro nessa posição. Se ele continua a agir da mesma maneira, e você acaba constantemente no papel de vítima, não feche os olhos, alguma coisa obviamente está errada.


7. Confiar sem ressalvas na opinião do seu parceiro


Se de repente você perceber que está a fazer algo que nunca fez antes, só porque o seu parceiro gosta, é razão para começar a pensar. Substituir as suas crenças pelas do seu parceiro significa que já perdeu uma parte importante de si mesmo e que, em breve, nada restará de si mesmo.

Está a correr o risco de ser apenas uma sombra do seu namorado ou namorada. Isso pode ser uma causa de problemas graves, incluindo os de saúde.


8. Ficar com ciúme por coisas pequenas

O medo da solidão ou de uma traição passada não devem envenenar a relação no presente. As razões para ser ciumento são reais ou existem apenas em sua imaginação? Você corre o risco de perder o seu parceiro, não para outra pessoa, mas por sua própria culpa: ninguém suporta a desconfiança constante, a necessidade de acalmá-lo e demonstrar-lhe amor todo o tempo. Acontece também o contrário: as razões para ser ciumento são as mais reais, mas em vez de ouvir "desculpa, eu não me apercebi que era doloroso para it, não vou mais fazer isso", você ouve de novo e de novo "é só tua imaginação". Você tenta fechar os olhos e convencer a todos (especialmente a si mesmo) que tem um parceiro bonito e forte, mas medos e dúvidas o devoram por dentro. Um relacionamento como esse não pode ser chamado de feliz.

Cuidado também caso o alvo de ciúmes seja você. O ciúme sem razão é uma forma de manipulação e de controlo.


9. Sentir-se péssimo se o seu parceiro não está por perto


Quando estamos apaixonados, queremos estar perto do objecto de nossa adoração a todo o momento. Não sufoque o seu parceiro com atenção excessiva. Não viva flutuando no amor, lembre-se das tarefas e responsabilidades diárias que negligenciou. Deixe espaço para o seu parceiro, não tente descobrir absolutamente tudo sobre a outra pessoa.

Tente não se concentrar em pensamentos negativos como "e se ele estiver com outra pessoa?". Isso porque ele realmente pode estar com o outro, mas você não vai mudar nada com a sua ansiedade. Por isso, é melhor prestar atenção ao seu comportamento em geral. Não preencha todo o seu tempo e toda a sua mente com o seu parceiro. Então você será mais interessante aos olhos da outra pessoa.

10. Justificar o mau comportamento do seu parceiro

Em estado de paixão, tendemos a ver o nosso parceiro através de lentes cor-de-rosa. É importante prestar atenção não apenas em como ele se comporta quando estão juntos (todos nós tentamos mostrar o nosso melhor lado para um parceiro em potencial), mas também como trata os outros.

Se no primeiro encontro o homem é galante e sorridente, mas de repente começa a gritar com o empregado do restaurante porque ele confundiu os pratos, é um mau sinal. Depois de um tempo, quando a paixão inicial diminui, quem pode chegar a estar no lugar do empregado pode ser você, se levar 20 minutos em vez de 10 para se preparar para ir ao cinema.


O que fazer em momentos de emoções particularmente agudas?

1. Tire a responsabilidade do seu parceiro pelo seu estado emocional. Você, e só você, é responsável por ele.


2. Não pense constantemente sobre o que seu parceiro está a fazer agora, o que as suas palavras significaram, como entender suas ações, etc. Não permita que a imaginação e as conjecturas negativas a atormentem. Volte para o "aqui e agora". Para conseguir isso, permanecer concentrado na respiração pode ajudar. Faça exercícios de Mindfulness e de Tapping, por exemplo. Ou vá fazer exercício físico. Para sairmos do ruído mental, ir para o corpo é uma excelente opção.


3. Encontre um lugar confortável no seu corpo e coloque lá mentalmente "um observador interno", uma parte sua que mantém a objectividade em qualquer situação, sem sucumbir às emoções. Olhe ao seu redor através dos olhos do seu "observador interno". Você está sobrecarregado pelos sentimentos em relação ao seu amado, mas isso não é tudo o que você é.


4. Encontre recursos úteis: o que pode encorajar e distraí-la de pensamentos obsessivos sobre o seu parceiro? Um café, um bom filme ou um livro, alguma actividade física, um banho perfumado, uma conversa com um amigo? Todos os meios são bons.

Se nada ajudar e sentir que não consegue sair de um relacionamento complicado e doloroso, não hesite em contactar um psicoterapeuta.


@Cristina Fernandes

(Adaptado texto inglês de Darlene Lancer)

215 visualizações

(+351) 910 828 320

©2013 por Cristina Fernandes